As vantagens da pausa produtiva no trabalho

 

Da mesma forma que o corredor descansa na subida para retomar o fôlego durante a corrida, os profissionais precisam de um momento para relaxar. Acostumados a desempenhar muitas tarefas ao mesmo tempo, administrando prazos, datas e metas, muitos recorrem a um recurso natural para tornarem-se mais produtivos: a pausa durante o expediente.

 

Defendida pelo sociólogo italiano Domenico de Masi, o ócio criativo, outro nome para a pausa produtiva, é quando um colaborador para por um instante o trabalho que estiver fazendo para se desconcentrar e relaxar. Ao retomar suas tarefas, volta, então, mais disposto, criativo e produtivo. Empresas como o Google e Facebook investem no modelo defendido pelo sociólogo, recorrendo às salas de descompressão, videogames, e até mesmo sofás, como recursos para o relaxamento.

 

Neste sentido, outros gestores atentos ao bem-estar de suas equipes têm incentivado a prática dentro de seus departamentos, como revela a coordenadora de RH da Santillana Brasil, Renata Pires Alecrim: “Dentro da equipe que lidero, a pausa é importante para ‘ventilar’ um pouco os pensamentos, um momento de descompressão. Sair do foco do trabalho pode parecer, aos olhos de quem não conhece o perfil dos profissionais de sua equipe, perda de produtividade. No meu caso, é a alimentação para realizar um trabalho com mais energia, mais foco, concentração e qualidade”.

 

Assim como a pausa pode trazer resultados vantajosos para a empresa, bem como para o funcionário, a coordenadora de RH enfatiza que é preciso saber dosar esses intervalos, e faz um alerta: “O segredo está em duas questões: entender o real objetivo de uma pausa no trabalho para cada pessoa e atentar para o limite saudável para isso. O limite saudável precisa ser respeitado e conhecido pelo profissional e o líder. Caso contrário, a pausa se torna sinônimo de procrastinação, falta de envolvimento com o trabalho e baixa produtividade”, sinaliza.

 

Seja para estimular a criatividade, ou mesmo desanuviar da pressão de um grande projeto, a pausa pode ser muito enriquecedora, como bem afirma Domenico de Masi: “Criatividade exige gestão do tempo, que se nutre de ócio”

Uso das tecnologias versus a produtividade

 

Um dos principais motores de uma empresa, a produtividade, tem sido ameaçada por um vilão no cenário corporativo: o celular. Indispensável para os dias atuais, o uso constante da tecnologia, principalmente do smartphone, tem causado impactos negativos a muitos colaboradores, que sem perceber, acabam perdendo horas de trabalho devido ao vício tecnológico. Além dos danos relacionados à produtividade, muitos profissionais passaram a apresentar problemas de saúde, pelo uso abusivo, entre eles, prejuízos à coluna cervical, síndrome do olho seco, insônia causada pelo uso antes de dormir, e outros problemas.

 

De acordo com pesquisas norte-americanas, as interrupções no trabalho comprometem 30% da capacidade de desempenhar atividades, pois a concentração é essencial para que o colaborador mantenha o foco. Desta forma, empresas têm investido na conscientização dos funcionários, uma vez que muitos gestores perceberam que proibir o uso não é boa opção. Isso porque, da mesma forma que o acesso à tecnologia pode trazer inovação e criatividade, o uso demasiado pode acarretar perda de foco e impactos nas metas.

 

Outro vilão da produtividade nas empresas tem sido o uso exagerado dos aplicativos de bate-papo via celular (WhatsApp, Viber e outros). Considerados importantes ferramentas de comunicação, esses canais deixaram de ser usados apenas para as questões particulares dos colaboradores e tornaram-se, agora, uma ferramenta de trabalho. Grupos são formados para tratar de assuntos corporativos, que muitas das vezes deveriam estar restritos a outros canais de comunicação interna. Por esta razão, é necessário ter cautela nesta prática.

 

Por ser uma tendência e o uso, uma realidade, cabe às empresas educarem seus colaboradores para o uso consciente do celular e definir algumas regras. Confira algumas sugestões:

 

  • Opte por deixar o celular no modo silencioso;
  • Crie espaços para o uso livre (área de convivência, café e demais locais);
  • Estimule o acesso em pausas programadas, e combine horários nos quais a demanda de trabalho é mais amena;
  • Em reuniões, evite levar o celular para não causar interferências;
  • Defina um limite de utilização;
  • Em atividades que exijam atenção máxima, o uso do celular deve ser restrito.

Hackathon: a maratona que invadiu o mundo corporativo

 

Inicialmente aplicada na área de tecnologia, a prática deixou de ser exclusividade do segmento de programação e, atualmente, envolve diversos setores do ambiente corporativo. O curioso nome vem da junção das palavras hack (do inglês, explorar áreas da programação, não necessariamente voltada a crimes digitais) e marathon (maratona, em português).

 

Definido como uma maratona de programação, o Hackathon tem o objetivo de tirar uma ideia do papel em curto espaço de tempo. Mas, para realizá-lo, é preciso determinação, para transformar ideias, valorizando a tomada de decisão e, ao mesmo tempo, tirando o foco do resultado imediatista. Assim, o processo de aprendizado é valorizado, por proporcionar a interatividade entre pessoas dos mais variados setores que nem sempre convivem no dia a dia.

 

Não existe um padrão de como fazer, no entanto, alguns fatores como motivação, estrutura, tempo, cronograma e seleção de quem vai participar podem fazer a diferença. As equipes costumam ser compostas por profissionais de diferentes áreas e cada membro é responsável por uma atividade. O objetivo desse exercício é ousar; acelerar processos por meio da criatividade; gerar uma sinergia que facilita o desenvolvimento do projeto, estimulando a inovação.

 

Assim, fica muito mais fácil entender os processos e as necessidades da empresa, e ter mais tempo para desenvolver as soluções.

Dia Internacional da Mulher

 

Nas últimas décadas, a presença da mulher no mercado de trabalho tem sido cada vez mais frequente. Antes, consideradas apenas para vagas de menor expressão, hoje as mulheres estão mais qualificadas e ocupam posições relevantes dentro das empresas.

 

Todos os dias, milhares de mulheres se veem entre as tarefas do lar, da educação dos filhos, e até mesmo coordenando equipes. A sociedade brasileira, bem como as empresas, passaram a garantir um lugar para que as profissionais mulheres pudessem contribuir com seu conhecimento e dedicação.

 

Colaboradoras Renata Sanches Salva, gerente de Serviços Educacionais e Lia Suzana de Castro Gonzalez, coordenadora pedagógica recebem uma flor em homenagem ao Dia Internacional da Mulher

 

E em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, celebrado na última terça-feira, a Santillana Brasil ofereceu uma rosa a suas colaboradoras como forma de gratidão e reconhecimento por seu dia especial. A empresa valoriza suas mulheres e acredita no poder transformador de suas colaboradoras. Prova disso, é que a companhia possui cerca de 55 % de mulheres em seu time de profissionais.

 

Por isso, a Santillana Brasil homenageia todas as mulheres que, com sua fibra, delicadeza e sabedoria, desempenham tantos papéis importantes na sociedade. Parabéns!

Crise: como se manter empregado

 

No último ano, em decorrência da crise que assola o Brasil, diversos profissionais se viram entre a triste estatística do desemprego. Só em 2015, o país atingiu a marca de 7,2%, e, segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), neste ano, a projeção para a taxa de desemprego deve subir para 7,7%. Diante desse cenário, é natural surgir um clima de medo e apreensão nas empresas, uma vez que muitas têm optado por cortes e remanejamentos internos.

 

Mas, para aqueles profissionais que continuam em seus empregos, é exatamente este o momento para se destacar na empresa e se tornar peça indispensável na corporação. Com a alta competitividade do mercado e as empresas exigindo cada vez mais eficiência e produtividade no trabalho, muitos colaboradores se deparam com suas fragilidades e acabam por não saber lidar com a realidade.

 

Em contrapartida, profissionais comprometidos, resilientes e proativos saem na frente, pois as empresas mantêm suas portas abertas para aqueles que fazem a diferença. Graças à preocupação com as mudanças da companhia, qualificando-se e mostrando firmeza em tempos difíceis, esses profissionais têm garantido suas posições em tempos difíceis.

 

Para ajudar a lidar com a crise e manter-se empregado, confira algumas dicas:

 

  • Seja positivo – opte por uma postura mais positiva na função que exerce. Use as adversidades como uma motivação a mais para realizar um bom trabalho.
  • Busque qualificar-se – com a intensa competitividade, funcionários qualificados destacam-ses dentre os demais. Invista em cursos, palestras e eventos. Quem melhor se qualifica tem mais chance de sobreviver no mercado por um bom tempo.
  • Seja proativo – esteja aberto e disponível para desempenhar atividades que vão além do job description. Em momentos de crise, esse tipo de postura é muito valorizada em empresas que têm muito trabalho e poucas pessoas para executar.
  • Conheça o mercado – estude as tendências de sua área profissional e observe a importância de seu trabalho para o mercado.
  • Valorize-se – conheça seus pontos fortes e fracos; busque potencializar e mostrar os fortes, e melhorar os fracos. Só o autoconhecimento pode ajudar a manter-se empregável, em qualquer momento econômico do país.