Dia Mundial da Água

 

 

A água é um elemento importantíssimo do planeta Terra, portanto, entendemos que é obrigação do ser humano, cuidar e preservar. Pensando nisso, a Organização das Nações Unidas – ONU criou o dia Mundial da Água, em 22 de março de 1992, durante a ECO-92, uma importante conferência sobre meio ambiente e desenvolvimento mundial.

 

A data foi marcada para intensificar as reflexões relacionadas ao valor que devemos dar à água. Este dia também vem como um alerta de que o homem degrada e polui a água potável.

 

Com a criação da data, a ONU abre discussões todos os anos sobre os problemas que giram em torno do uso desse bem coletivo tão precioso. Sempre com temas diferenciados, ocorrem discussões para expor maneiras e projetos que ajudem os recursos hídricos e que conscientize a população mundial.

 

Entende-se que o equilíbrio da vida terrestre depende da água e é obrigação do todos transmitir estes cuidados para as gerações futuras.

Água se economizar, não vai faltar!

 

 

Que tipo de líder você é?

 

Liderar é a arte de conduzir pessoas a alcançarem, com êxito, os resultados planejados. Além de gerenciar equipes, uma importante função de um líder é inspirar as pessoas, influenciá-las positivamente e direcioná-las para o desenvolvimento de suas tarefas. Sintetizando, a definição parece simples, mas na prática exige mais competências do que se imagina.

 

Naturalmente, no ambiente corporativo você deve ter se deparado com diversos perfis de líderes, uns mais amorosos, outros mais impositivos, outros ainda mais democráticos. Mas acredite, existem diversos tipos de líderes e certamente você deve se enquadrar em algum perfil. Mas se você ainda não é líder, não se preocupe, aproveite para se conhecer melhor e se preparar para uma futura promoção.

 

- Exigente

Muito crítico, observador e perfeccionista. Costuma ser duro em suas críticas, e acaba gerando medo em sua equipe. Por ser assim, em situações de emergência tende a solucionar os problemas com agilidade e, em contrapartida, os funcionários sentem-se tolhidos ao seu lado.

 

- Dirigente

Sua principal característica é apontar as direções claras para a sua equipe. Possui senso de oportunidade, é empreendedor e é capaz de correr riscos e antecipar tendências. Esse líder garante a motivação dos funcionários por meio da transparência.

 

- Afetivo

Preza pela harmonia entre a equipe, é sensível às pessoas e aos seus problemas pessoais. Sua linha de atuação é tratar bem os colaboradores e estes, por sua vez, retribuem com lealdade e alto desempenho.

 

- Democrático

Segue a linha da divisão de responsabilidades, permitindo que todos os liderados participem das decisões importantes do grupo. É aberto ao diálogo e feedbacks constantes para facilitar a solução de problemas internos.

 

- Modelador

Assim como o próprio nome, esse líder se diferencia por modelar a equipe às suas normas e procedimentos, pois acredita ter sempre o melhor caminho para a execução do trabalho. Costuma tomar as decisões sozinho e não as compartilha com o grupo.

 

- Treinador

Aposta nas capacidades individuais de cada um de seus liderados e as utiliza para potencializar seus resultados. Ele investe tempo e esforços para identificar os pontos fortes e fracos de cada colaborador, criando um ambiente colaborativo e ao alcance das metas da empresa.

Escola – lugar de aprendizado e socialização

 

Ontem, 15 de março, foi o Dia da Escola, e hoje homenageamos a escola e seus trabalhadores, pois é lá que fazemos nossos primeiros contatos com o mundo fora de nossas casas.

 

Segundo o Dicionário Aurélio, escola é um estabelecimento de ensino, um conjunto formado pelo professor e pelos discípulos. É o lugar onde os limites são aprendidos, as obrigações são exigidas e os horários, rigorosamente cumpridos.

 

Evoluindo sobre o assunto, o educador Paulo Freire, referência no Brasil por criar um método de alfabetização de adultos, conceitua que a escola é um lugar de se estabelecer vínculos e que deve ser para todos. Exemplo disso, é um poema que ele escreveu com o título de “A Escola” e que exprime seus pensamentos. 

 

“..."Escola é.. o lugar onde se faz amigos

não se trata só de prédios, salas, quadros,

programas, horários, conceitos...

Escola é, sobretudo, gente,

gente que trabalha, que estuda,

que se alegra, se conhece, se estima...”


A Escola não existe sem a figura do professor, e essa profissão é o exercício de ensinar, de passar adiante todo o conteúdo necessário para uma educação sólida. É por essa importância que o Grupo Santillana desenvolve projetos que auxiliam esses profissionais a promoverem seus trabalhos, que ajudam e incentivam seus alunos, dentro e fora da escola.

 

O Grupo Santillana está sempre atento à educação desse país, ajudando a desenvolver melhores profissionais, com material didático prático e atualizado, para a formação de excelentes cidadãos no futuro.

Poesia de pai pra filho

 

A poesia no Brasil pode ser considerada uma das mais ricas do mundo, haja vista a grande quantidade de poetas famosos no país. E para difundir a poesia e a linguagem literária, a data de 14 de março foi escolhida por um motivo nobre - homenagear um dos maiores poetas brasileiros - Antônio Frederico de Castro Alves. Nascido na cidade de Curralinho (BA), Castro Alves foi considerado um dos mais brilhantes poetas românticos, responsável por uma nova concepção de amor na Literatura.

 

A herança deixada pelos poetas é incomensurável, e pode ser definida pela manifestação mais íntima dos sentimentos. Em outras palavras, a poesia está em quem a sente, em sentido amplo, ela não pode existir sem alguém que a sinta realmente.

 

Foi exatamente esse sentimento que o colaborador Lourenzzo Amaral Dairel Madureira, Consultor Comercial (DF), traduziu ao compartilhar uma poesia elaborada por seu pai, o Sr. José Maria Ferreira Madureira. E o momento não poderia ser melhor, ao receber o prêmio de Melhor Desempenho como Generalista de Literatura do Distrito Federal, durante a 37ª Convenção Comercial, Lourenzzo declamou a poesia que recebera de presente de seu pai. A emoção tomou conta de todos e a poesia você pode conferir neste fragmento de sentimentos do Sr. José Maria, inspirado em poetas como Fernando Pessoa, Thiago de Melo, Guimarães Rosa, entre outros. Aprecie!

 

" Escrevo essa canção por que é preciso,

Se não a escrevo, falho com um pacto que tenho abertamente com a vida.

É preciso fazer alguma coisa para ajudar o homem.

É preciso fazer alguma coisa para ajudar o homem.

Não sei se sinto de mais ou de menos, e seja como for, era melhor eu não ter nascido.

Porque de tão interessante que são todos os momentos, a vida chega a doer, a enjoar, a roçar, a ranger,

a dar vontade de dar gritos, de dar pulos e de ficar no chão.

Cruzo os braços sobre a mesa, ponho minha cabeça sobre os braços, é preciso querer chorar,

mas não sei como ir buscar as lágrimas, e por mais que eu me esforce por ter uma grande pena de mim, não choro.

Tenho a alma rasgada sobre o indicador curvo que lhe toca.

O que há de ser de mim?

O que há de ser de mim?

Fizeram um mendigo levantar-se sob o degrau aonde caíra,

Bateram na criança abandonada e tiraram-lhe o pão das mãos,

Oh mágoa imensa do mundo! O que falta é agir.

Somos o que somos, ou o que nos dizemos ser?

Amei e odiei como toda gente, e para toda gente isso foi normal e instintivo, para mim foi sempre a exceção.

Toda raiva de não conter isso tudo, de não poder deter isso tudo...

Oh fome abstrata das coisas, cio impotente dos momentos, orgia intelectual de sentir a vida.

Eu posso me olhar sem medo de me ver!!!

Já decidi não ajudar o engano.

Dói dizer, mas é preciso, poder rir...

Rir desesperadamente como um copo entornado.

Absolutamente doido só por sentir.

Absolutamente roto por me roçar contra as coisas.

Ferido na boca por morder coisas, com as unhas em sangue por me agarrar com essas coisas.

E depois...

Dei-me a cela que quiserem que eu me lembrarei da vida.

Eu sei por que canto!!!

Se raspas o fundo do antigo poço da tua ternura, acharás restos de água que apodrecem.

E é preciso fazer alguma coisa para ajudar o homem.

É preciso fazer alguma coisa para ajudar o homem!!!

Livrá-lo dessa sedução voraz.

Dessa engrenagem fria e organizada, que à todos os devoram a ternura.

O gosto de ser gente, o gosto de ser gente...

E de viver...

Ainda há tempo!!!"

 

Autor - José Maria Ferreira Madureira – pai do colaborador Lourenzzo Amaral Dairel Madureira da Santillana Brasil

Dia do Bibliotecário

 

Muito mais do que organizar os livros na estante, o bibliotecário é o profissional responsável por coletar, selecionar, processar, armazenar e distribuir as informações para que possamos chegar a uma biblioteca e encontrar o que precisamos.

 

Outra característica pouco conhecida é que os bibliotecários não atuam apenas no mundo dos livros, mas também, em outros sistemas que exijam uma análise sistematizada e organizada. Com o avanço da tecnologia, esses profissionais puderam agilizar o processo de captura das informações e disponibilizar com mais eficiência aos usuários.

 

Com cerca de 27 mil títulos impressos, além dos 53 mil objetos digitais e os 17 mil objetos da memória da empresa, a Editora Moderna tem à disposição de seus colaboradores um Centro de Informação e Documentação (CID). Neste importante departamento trabalha há 17 anos, Maryan de Fátima Leis Garcia, que é o exemplo vivo do grande amor a esta profissão.

 

Hoje, dia 12 de março, Dia do Bibliotecário, convidamos você a conhecer melhor Maryan, responsável pelo CID e que conta com o apoio de mais uma bibliotecária, três geógrafos, um jornalista, uma historiadora e de uma professora de língua portuguesa, para oferecer a melhor informação aos colaboradores da Editora Moderna. Confira a entrevista:

 

Conte um pouco da sua história, como surgiu o desejo de seguir por esta área profissional?

Eu sou do Nordeste e tinha uma vida muito difícil, inclusive sem acesso a livros. Quando jovem resolvi vir para São Paulo e morar com uma tia. Fui em busca de um emprego e neste primeiro trabalho existia uma biblioteca e eu fui convidada para trabalhar junto com a bibliotecária. Resolvi aceitar e comecei a tomar contato com os livros, e com a convivência diária eu passei a gostar e resolvi estudar biblioteconomia. Naturalmente a vida me levou por este caminho. Até que tive a sorte de ver um anúncio para um estágio na Editora Moderna, me candidatei e estou até hoje aqui.

 

Conte sobre o seu dia a dia no CID, o que mais lhe encanta neste importante trabalho realizado na Editora Moderna?

No geral, as pessoas acham que bibliotecário só trabalha com livro. Nosso segmento é muito amplo, pois trabalhamos com a informação, com a sistematização desta informação independente do suporte da mídia, pode ser livro e objetos digitais. De fato, meu trabalho é rotineiro, é técnico, mas ao mesmo tempo o acervo da Editora Moderna é muito dinâmico. Eu sou uma privilegiada, pois trabalho com a informação, com revistas, livros, e agora com o acervo digital. Mas o que é mais rico são as pessoas, a troca de conhecimento e a oportunidade de aprender com elas é maravilhoso.

 

Como você define o trabalho do Bibliotecário?

O bibliotecário está em diversas áreas, porque ele é um organizador, um disseminador da informação. Mas para você ter acesso a informação, alguém precisa organizar, sistematizar, e é isso que fazemos. Costumo comparar o meu trabalho com o do Jardineiro, pois eu estou cultivando e arrumando esse jardim de conhecimento e informação.

 

Como é a estrutura do CID?

Nossa biblioteca é mista e possui todo o acervo do grupo, incluindo o acervo digital, impresso e histórico, e agora o Portal da Moderna onde nós estamos catalogando os objetos digitais. Possuímos o registro no CRB (Conselho Regional de Biblioteconomia) e seguimos as normas exigidas. Contamos com uma equipe multidisciplinar, muito focada e detalhista para que não ajam falhas.