Ajude a combater a dengue

 

 

Atualmente, a dengue é considerada um dos principais problemas de saúde pública do estado de São Paulo. Mas esta não é a única doença transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti. Recentemente, o país registrou alguns casos das doenças chikungunya e zika e que também estão despertando a atenção da população por apresentarem sintomas semelhantes e por terem a mesma forma de transmissão.

 

Confira algumas dicas para manter as enfermidades longe de você, da família, dos amigos...

 

- Combate: para todas as doenças, a única maneira é acabar com os focos de transmissão, isto é, eliminar qualquer material que acumule água parada e ofereça espaço para o mosquito se desenvolver. 

 

- Sintomas da dengue: em geral, manifestam-se entre o 3º e 15º dia após a picada do inseto, e pode evoluir para alguns casos mais graves. A dengue clássica apresenta febre alta, entre 39° e 40°, associada a dor de cabeça, desânimo, dores nas juntas, musculares e atrás dos olhos, vermelhidão no corpo e coceira. Já a dengue hemorrágica causa o aparecimento de sangramentos, como nasal, gengival e vaginal; rompimento dos vasos superficiais da pele, como hematomas, e outros sinais.

 

- Sintomas da chikungunya: O principal sintoma é a dor nas articulações de pés e mãos, que é mais intensa do que nos quadros de dengue. Além disso, também são sintomas: febre repentina acima de 39°, dor de cabeça, dor nos músculos e manchas vermelhas na pele.

 

- Sintomas da zika: O vírus não é tão forte quanto o da dengue ou da chikungunya e os pacientes apresentam um quadro alérgico. Os sintomas, porém, são parecidos: febre, dores e manchas no corpo. Quem é infectado pelo zika também pode apresentar diarreia e sinais de conjuntivite.

 

- Diagnóstico: para todas as doenças o paciente deve procurar atendimento médico, uma vez que os sintomas da dengue, da chikungunya e da zika são muito parecidos com os de outras doenças, como, por exemplo, a gripe. O exame de sangue também pode ser solicitado, para determinar se foi infectado com o vírus, e demora em média 24 horas para ficar pronto.  

 

- Tratamento: não há nenhum específico para as doenças, mas recomenda-se beber muito líquido para não desidratar, manter-se em repouso e tomar medicamentos específicos (sempre sob indicação médica) para baixar a febre e aliviar as dores no corpo. 

Educação de resultado é a aposta do Concurso Cultural Histórias de Educador

 

Estimular as melhores experiências relacionadas à educação, foi o desafio proposto no Concurso Cultural Histórias de Educador. A iniciativa, promovida pela Editora Moderna, recebeu mais de 330 histórias de amor, dedicação, desafios e conquistas, e graças a essa ação de engajamento, foi possível conhecer projetos de vida e atitudes positivas de professores, coordenadores e gestores brasileiros, que com coragem transformam a realidade de sua comunidade escolar.

 

E como forma de valorizar essas vivências e compartilhá-las com todo o País, foram premiadas três histórias, e três práticas, que farão parte de um livreto com prefácio escrito pelo conceituado escritor e educador Pedro Bandeira.

 

A educadora Camila Serragiotto, de Atibaia/SP, conquistou o primeiro lugar e ganhou um iPad Mini. Na segunda colocação, ficou Giovani José da Silva, de Macapá/AM; em terceiro lugar, Judy Rosas, de João Pessoa/PB, e ambos receberam um Kobo Touch (leitor de e-book).

 

A Editora Moderna reafirma, assim, o seu compromisso a favor de uma educação de resultado, promovendo e incentivando o trabalho de tantos professores dedicados. Parabéns a todos os educadores!

Fim da licença-maternidade: como voltar ao trabalho?

 

Fim da licença-maternidade: como voltar ao trabalho?

 

No último mês, celebramos o Dia das Mães, data em que aproveitamos para revelar todo o carinho e afeto dedicado a essas mulheres especiais. E este mês, vamos abordar um tema que merece reconhecimento e atenção: a licença-maternidade.

 

Retornar ao trabalho depois da maternidade é motivo de muitas dúvidas e inseguranças. É uma fase na qual a mulher vive os primeiros dias da ansiedade de conciliar os papéis de mãe e profissional, e precisa se readaptar à nova realidade. A situação não é fácil, pois tem a difícil missão de deixar o filho com outra pessoa e voltar ao trabalho.

 

Naturalmente, após o período cuidando do filho, mães costumam sentir culpa por “abandonar” os pequenos. E pensando nessa necessidade especial, muitas empresas reconhecem ser um período que exige atenção e até estimulam a amamentação e o contato da mãe com o bebê, nessa fase, como é o caso da Santillana Brasil, que incentiva suas colaboradoras para exercer esse importante ato de amor.

 

Mas já de volta ao trabalho, há alguns passos que podem ser seguidos e que certamente facilitarão o exercício das atividades diárias. Confira:

 

- Converse com o gestor: discuta com seu líder quais serão seus desafios após o longo período de afastamento. Busque se envolver em novas atividades e rotinas de trabalho;

- Agende reuniões: procure se inteirar dos assuntos e projetos em andamento, para isso invista em reuniões de alinhamento com pessoas da equipe ou das áreas;

- Administre o tempo: a gestão de tempo passa a ser fundamental, saiba dosar as atividades do trabalho, da casa e do bebê.

 

E, para você, qual foi o maior desafio ao retornar ao trabalho depois da licença-maternidade?

Atualização é a chave para o sucesso profissional

Atualização é a chave para o sucesso profissional

 

Conquistar uma nova posição dentro da empresa exige não somente realizar um bom trabalho, como também manter-se atualizado, frente as exigências da carreira. Para isso, os profissionais investem em conhecimento facilitado por meio de treinamentos mais rápidos, como workshops ou ainda em feiras de negócios. Há também, quem opte por especializações como pós-graduação. Em todas essas opções, alguns fatores devem ser avaliados no momento da escolha, como carga horária, investimento e conteúdo programático.

 

Desta forma, os treinamentos como workshops são o grande destaque, uma vez que proporcionam conhecimento técnico de forma rápida. Encontros de negócios também são uma excelente oportunidade para se relacionar com pessoas interessadas no mesmo tema e promover a “discussão” do assunto.

 

Acompanhar as tendências do mercado na área de atuação é um compromisso do profissional que deseja evoluir. E as empresas que investem em treinamentos para os funcionários ganham a confiança e admiração destes profissionais, que sentem-se mais valorizados e o seu trabalho reconhecido. 

 

O acesso à informação está cada vez mais fácil, e desta forma, a velha ideia que um profissional só pode se atualizar por meio de uma especialização tradicional caiu por terra. Exemplo disso, pode ser observado na Santillana Brasil que investe no aperfeiçoamento profissional de seus colaboradores, os conduzindo para participar de eventos como Bett Brasil Educar, Congresso Internacional do Livro Digital, II Conferência de Revolução Ebook, e o curso “Para Além da Gamificação”.

 

O importante é não ficar parado e ir em busca de conhecimento!

A importância do trabalho em equipe

A importância do trabalho em equipe

 

As expressões “a união faz a força” e “juntos somos mais fortes” simbolizam de maneira clara a importância do trabalho em equipe, e mais do que isso, transmitem a ideia de que o trabalho em grupo contribui de forma relevante para o alcance dos objetivos com sucesso. Mas, para alguns profissionais, trabalhar em conjunto não é uma das tarefas mais fáceis. Exige renúncia, flexibilidade, predisposição para discutir diferentes assuntos e a capacidade de tratar as informações racionalmente, e ainda saber aceitar diferentes pontos de vista.

 

Há distorções entre o sentido do trabalho em grupo e equipe, que por essência revelam definições bem divergentes, como: trabalho em grupo remete a pessoas que trabalham numa mesma área, mas que não interagem e são individualistas, o que compromete o resultado de todos. Em contra partida, quando se fala em trabalho em equipe, há engajamento e espírito de união, e os resultados podem ser os melhores.

 

Desta forma, para que o trabalho em grupo possa se tornar um trabalho, efetivamente de equipe, é preciso:

 

- estabelecer meta: a equipe precisa definir um objetivo claro a ser cumprido;
- comunicação: deve ser transparente e franca;

- respeito e cooperação: saber da sua importância para a conquista dos resultados.

 

Para que tudo ocorra da melhor maneira e que se conquiste resultados, cada profissional deve se preparar para oferecer o melhor. Naturalmente, alguns confrontos surgirão no caminho, e que devem ser contornados, pois como dizia Henry Ford, “unir-se é um bom começo, manter a união é um progresso, e trabalhar em conjunto é a vitória”.