Voltar

O pensamento disruptivo pode destacar você

 

Quando se fala em pensamento disruptivo, muitas pessoas imaginam que ele está relacionado à invenção de algo absolutamente inédito ou à descoberta de alguma coisa jamais vista anteriormente por outros olhos humanos.

 

Essa definição equivocada pode parecer apenas um desconhecimento do termo, mas é mais preocupante do que isso. Ela interfere diretamente nas suas atitudes dentro da empresa e frente dos desafios que a sua profissão lhe proporciona diariamente.

 

De acordo com Clayton M. Christensen, professor da Universidade de Harvard e criador da Teoria da Inovação Disruptiva, ela acontece quando algo transforma um produto ou um serviço oferecido ao mercado, de forma a incorporar a eles três características fundamentais: simplicidade, conveniência e acessibilidade.

 

É mais fácil entender com um exemplo concreto: o Uber revolucionou o mercado de transporte público, sem inventar nada absolutamente novo. Ele apenas reuniu tecnologias já disponíveis e colocou-as a serviço da população de forma simples, conveniente e acessível a todos.

 

Agora analise a utilização que você faz das soluções tecnológicas ao alcance das suas mãos. Você utiliza 100% dos recursos oferecidos pelo seu celular? Sabe realizar o cálculo de juros compostos e desenhar mapas no Excel? Desenvolve apresentações com efeitos especiais no Power Point? Conhece todas as facilidades da sua smart TV?

 

Alguns especialistas afirmam que os usuários não utilizam mais do que 10% de todas as alternativas que os dispositivos digitais podem oferecer.

 

Talvez você utilize mais. No entanto, é provável que não tenha o hábito de pensar de forma disruptiva sobre o seu dia-a-dia no trabalho, procurando enxergar nos processos rotineiros aplicações mais simplificadas, convenientes e acessíveis a todos.

 

Imagine como sua carreira pode deslanchar dentro da empresa, a partir do seu hábito de pensar diferente as mesmas coisas: produtos, serviços, atendimento, pós-venda, relacionamentos e muito mais.

 

Não se trata de criar um novo produto, mas como torná-lo mais barato e com novas utilidades para o consumidor. Não é preciso pensar em uma tecnologia diferente, mas como utilizar a que existe de maneira diferenciada, com simplicidade e maior conveniência.

 

Para raciocinar e agir de forma disruptiva o caminho é razoavelmente simples. Faça constantemente uma pergunta a você: “Existe uma maneira melhor para fazer isso?”

 

Já pensou nisso antes? Pois então comece a pensar agora para se destacar na profissão e facilitar a sua vida cotidiana.

Próximo