Como lidar com as fake news sobre sua empresa

 

 

Muitas das maiores companhias do mundo já tiveram de lidar com boatos a respeito dos produtos e serviços que vendem. Minhocas nos hamburgueres e ratos nos refrigerantes estão entre as histórias que circulam por aí. 

 

Isso não é novidade nenhuma, mas com a internet a informação falsa viaja em uma velocidade incomparável. Quem nunca recebeu fake news pelo Whatsapp? 

 

Pode haver muitos interesses por trás dos boatos, mas uma explicação é mais simples: pessoas gostam de histórias e, quanto mais absurdas, mais atenção elas atraem. 

 

Se você trabalha na área de comunicação de uma empresa ou tem seu próprio negócio, é bem possível que um dia tenha de lidar com um boato sobre sua organização. 

 

Para gerenciar este tipo de crise, um bom primeiro passo é deixar os funcionários bem informados. Afinal, se os próprios colaboradores da empresa suspeitarem que a informação é verdadeira, por que os consumidores não suspeitariam? 

 

Por isso, é fundamental ter um canal de comunicação interna eficiente, onde a informação é transmitida com transparência e agilidade. 

 

Além disso, é preciso alimentar o público com informações verdadeiras, vindas de fontes confiáveis e com a maior rapidez possível. Dificilmente um boato se espalha se a empresa age rapidamente e com assertividade. 

 

Boatos se disseminam diante da inação das empresas. Cada minuto de silêncio pode ser mortal para a credibilidade da marca. 

 

É importante notar que muitas vezes as informações falsas são espalhadas em momentos de grandes movimentações nas empresas. É comum, por exemplo, que notícias de demissões em massa circulem pelos corredores das organizações. 

 

Nesses casos, nem sempre é possível esclarecer tudo rapidamente, pois muitas vezes são decisões estratégicas delicadas da direção da empresa. 

 

Para este tipo de situação, o RH e a direção devem estar muito bem alinhados, preparados para lidar com a insegurança dos colaboradores. 

Solucionar problemas ou maximizar oportunidades?

 

 

 

 

A capacidade de solucionar problemas complexos é uma característica que toda empresa busca em seus colaboradores. É também uma habilidade vista como fundamental para o profissional dos tempos atuais. 

 

Mas será que a resolução de problemas é o que gera resultados para a empresa? 

 

A verdade é que a solução de problemas pode levar uma organização de volta à rota certa, mas nem sempre é o que a leva aos melhores caminhos. Para esse caso, o foco, então, talvez deva ser outro: a maximização de oportunidades.

 

É pela geração de boas oportunidades que uma organização maximiza seus lucros, inova em seu mercado e mantém-se próspera. 

 

Já a resolução de problemas, por outro lado, é o que pode retirar os obstáculos para que os resultados sejam alcançados. 

 

Em suma, é mais importante saber identificar as coisas certas a serem feitas do que saber como fazê-las corretamente. 

 

Isso significa que a eficácia, mais do que a eficiência, é fundamental para o sucesso da empresa. É na geração de boas oportunidades que a maior parte dos recursos devem estar alocados.

As 7 características que não podem faltar em um profissional de sucesso

 

 

Muitos querem trabalhar em uma boa empresa, que os valorize, ganhando um ótimo salário e com reconhecimento pelo trabalho que fazem. Outros sonham em ser bem sucedidos em seus próprios empreendimentos, mantendo negócios prósperos e lucrativos. Até aí, nada de novo. 

 

Mas que qualidades precisamos ter para que tudo isso seja uma realidade? Além de competência profissional e alguma sorte, há características imprescindíveis para quem quer ter sucesso na carreira. 

 

Conheça 7 características que não podem faltar em um profissional de sucesso: 

 

1 - Integridade

 

É possível chegar ao topo com mentiras e desonestidade. Mas é impossível se manter lá por muito tempo. É com uma postura íntegra que ganhamos a confiança das pessoas, sem a qual não se vai a lugar nenhum. 

 

2 - Autoconfiança

 

O sucesso na vida corporativa ou no empreendedorismo exigem que aceitemos alguns riscos. Qualquer atividade lucrativa envolve também a possibilidade do fracasso. Sem confiança em nossas próprias decisões, não nos permitimos correr esses riscos. 

 

3 - Senso crítico

 

A capacidade de avaliar se algo está sendo feito da maneira certa ou se há algo de errado é fundamental em qualquer profissional. O senso crítico é uma habilidade que deve ser aprimorada e praticada em todos os momentos da carreira de uma pessoa. 

 

4 - Bom relacionamento

 

O caminho para se alcançar um objetivo grande na carreira passa, necessariamente, pela boa vontade de outras pessoas. A única maneira de conseguir isso é sabendo se relacionar com elas, entendendo seus próprios anseios e necessidades e mostrando-se aberto a uma relação profissional consistente. O bom relacionamento interpessoal é peça chave em qualquer carreira. 

 

5 - Capacidade de trabalhar em equipe 

 

Isso tem muito a ver com o bom relacionamento interpessoal, mas não para por aí. Além de saber lidar com as pessoas, é preciso saber somar suas habilidades às delas. Cada vez mais, o mercado precisa de profissionais que sabem atuar coletivamente, pensando no melhor resultado para o todo. 

 

6 - Iniciativa

 

Chamada por muitos de proatividade, ela é uma das qualidades mais buscadas pelas empresas. Um profissional com iniciativa não espera uma ordem para começar a fazer seu trabalho. Não espera até que algo corra mal para consertar aquilo que está errado. O profissional com iniciativa está sempre à frente dos problemas, e isso o diferencia dos demais. 

 

7 - Persuasão 

 

Não basta estar certo, é preciso convencer os demais disso. Uma boa capacidade de persuasão ajuda um profissional a concretizar suas ideias, obter aprovação para projetos ambiciosos e fazer valer seus valores. O poder de convencimento pode ser praticado, e é uma habilidade que pode fazer toda a diferença. 

Afinal, qual é a diferença entre competências e habilidades?

 

Competências e habilidades são palavras comumente tratadas como sinônimos, e estão presentes em quase todas as descrições de vagas de emprego. Na hora de fazer um currículo, surge então a dúvida, existe alguma diferença entre elas? 

 

A verdade é que sim, os dois termos são distintos. Em resumo, uma competência é um saber ou técnica que podem ser obtidos por meio da prática. 

 

Já a habilidade é uma qualidade inata do profissional e independe de cursos ou treinamentos. Atenção: isso não significa que habilidades não possam ser aprimoradas. 

 

Por exemplo, um mecânico pode ter uma boa coordenação motora para trabalhar com as mãos, o que lhe proporciona maior facilidade para lidar com as peças dos automóveis. Isso é sua habilidade. Já a competência é o que ele obtém em um curso de mecânica, onde conhece todas as partes de um carro e suas funções. 

 

Outra palavra que se confunde com as duas anteriores é conhecimento, que diz mais respeito ao saber teórico em relação a um assunto. 

 

O mesmo mecânico pode ter lido diversos manuais de automóveis na vida, sem nunca ter consertado um carro. Isso indica que ele tem conhecimento sobre mecânica, mas não possui a competência. Em um treinamento prático, ele pode aliar as duas pontas.

 

Portanto, na próxima vez que você for montar seu currículo ou se candidatar a uma vaga de trabalho, atente-se às sutis, porém fundamentais, diferenças entre cada uma dessas palavras. 

Paciência: qualidade fundamental para o sucesso

 

Proatividade, ambição, criatividade, capacidade de liderança… todas essas são características que costumam ser apontadas como essenciais para o sucesso na carreira. Mas nenhuma delas nos leva para frente se faltar uma outra: a paciência. 

 

É dela que vêm algumas das qualidades fundamentais para um líder, como o autocontrole, a resiliência, a capacidade de foco, a humildade. 

 

É também por meio da paciência que sabemos aguardar o momento certo de investir, aguentar resultados negativos enquanto um projeto ainda não alcançou a meta esperada ou lidar com os erros de uma equipe. 

 

Mas, e quando somos pacientes demais, o que acontece? Assim como qualquer traço de personalidade, a paciência pode fazer mal, se excessiva. Enquanto o impaciente age de maneira afobada, o muito paciente perde o tempo de agir. 

 

A chave é não confundir paciência com passividade. Um bom líder pode ser tolerante com os erros de sua equipe, mas não deve aceitar qualquer atitude sem cobranças. Da mesma forma, aguardar o tempo certo para ver os resultados de um projeto é uma virtude, mas não se pode esperar para sempre. 

 

Conheça algumas dicas para saber ter paciência na medida certa: 

 

1 - Procure entender as diferentes personalidades de cada membro da equipe.Cada um de nós tem um ritmo e uma limitação. Aceite e aproveite a diversidade em seu time de trabalho, e seja humilde para reconhecer que nem todos são iguais a você. 

 

2 - Crie limites para sua própria paciência.Coloque prazos e metas para cada projeto e cobre resultados na hora certa. Cuidado, porém, para que os prazos não sejam tão curtos que se tornem impossíveis de cumprir. 

 

3 - Priorize a educação.Por mais irritado que possa estar em algum momento, nunca se deixe levar pela grosseria. Perceba sempre se está sendo educado. Esse é um ótimo exercício para não perder a paciência jamais. 

 

4 - Respire fundo.A respiração é a melhor forma que nós temos para controlar nossas emoções. Se em algum momento a paciência faltar, pare e respire por um minuto. Quando respiramos fundo, trazemos o oxigênio ao nosso cérebro e tudo pode ser visto com mais clareza. Vale a pena também praticar exercícios físicos ou yoga.